Adriane Galisteu comete ato falho e chama Patrícia Poeta de Fátima

A apresentadora conta sobre o ato solidário de fazer entrega de quentinhas aos domingos.

A grande apresentadora Adriane Galisteu teve diversos problemas em sua participação de hoje no programa Encontro, da Rede Globo, principalmente com a sua conexão, já que o seu telefone celular não parava em momento nenhum de receber várias ligações, enquanto ela dava sua entrevista. Para estar completando o problema ela ainda chamou a apresentadora Patrícia Poeta de Fátima.

A dona dessa grande atração, Fátima Bernardes, está de folga e essa semana foi substituída pela também excelente apresentadora Patrícia Poeta, que hoje comandou pela última vez o programa. Na semana seguinte, Fernanda Gentil vai estar assumindo o lugar de Fátima Bernardes.

Adriane falava um pouco sobre as suas entregas de marmitas solidárias que ela e mais algumas pessoas tem realizado aos domingos. “Essa comida solidária transformou as nossas vidas. Eu nunca mais consigo pensar em ficar longe desse movimento”, disse ela.

PUBLICIDADE

Vocês sabem, André Curvello e Fátima, que isso me deu um grande ânimo para a minha quarentena?”, disse ela sobre o ato de solidariedade.

Um dos outros convidados para participarem do programa, como o biólogo que falou algumas coisas sobre cobras e Michelle Loreto, do programa Bem Estar, foram bem mais íntimos, chamando a até apresentadora Patrícia Poeta de Paty.

Já a Ana Maria teceu elogios á sua colega de trabalho, antes de substituírem pelo Gentil: “Eu espero que você possa voltar algum dia, Patrícia, é muito gostoso ter você em nosso lado”.

PUBLICIDADE

A falha dela obviamente foi notada pelos usuários do Twitter, e assim surgiu várias publicações a respeito do erro. “Nossa que mico, Adriane chamando Patrícia Poeta de Fátima”, escreveu uma internauta.

Sobre a ação da marmita solidária, Adriane afirma que esse projeto deu uma grande virada em sua quarentena. Ela até viu seu produtor cozinhando e montando marmitas para fazerem uma entrega para pessoas nas ruas.

“Eu tomei uma decisão, e disse quero participar também, como eu faço?. E isso transformou de uma hora pra outra apenas 30 entregas em até 120, confesso que a gente queria poder estar entregando mais do que isso, mas ainda não temos nem panelas, mas fazer o bem não custa nada, e esse ato foi transformador para mim”, contou ela.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.