Bolsonaro tem medo de mostrar teste de COVID-19, segundo Thais Oyama.

O Presidente Bolsonaro não tem medo que seja aberta uma abertura de inquérito por Augusto Aras, procurador geral da República, a fim de averiguar possível participação de deputados ao organizar atos pró-AI-5, segundo a colunista do UOL, Thais Oyama.

 

Bolsonaro tem medo de mostrar teste de COVID-19, segundo Thais Oyama.

 

O Presidente Bolsonaro não tem medo que seja aberta uma abertura de inquérito por Augusto Aras, procurador geral da República, a fim de averiguar possível participação de deputados ao organizar atos pró-AI-5, segundo a colunista do UOL, Thais Oyama.

A investigação futura não cita o Presidente, é mais para “inglês ver”, pois afinal de contas foi parar nas mãos do Ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, onde destaca o Palácio do Planalto com um “ambiente seguro”.

O que na verdade o Presidente Bolsonaro tem medo é que o processo o “acuse por quebra de decoro, crime de responsabilidade”, onde “seja impedido de fazer aglomerações e tenha que apresentar seus testes do COVID-19” e também que possa ser caçado em suas atividades presidenciais.

PUBLICIDADE

Thiago Santos Aguiar de Pádua e José Rossini Campos de Couto Correa, advogados que protocolaram o mandado de segurança sendo Thiago ex-assessor de Rosa Weber ministra do STF e Rossini ex-conselheiro da OAB, onde a colunista Tereza Cruviel noticiou no site 247 no domingo (19).

Os advogados citados na coluna de Tereza pediram que sejam limitadas parte das atribuições do cargo de Bolsonaro e que sejam suspensas suas funções para que não continue cometendo crimes de irresponsabilidade, sendo contra a democracia e direitos fundamentais.
A jornalista Cruviel diz que “ainda que não venha ser aprovada pelo STF, pode-se dar início a um processo de impeachment”.
Os magistrados ainda acusam Rodrigo Maia, presidente da Câmara por omissão a abertura de impeachment por eles aberta contra Bolsonaro, sendo que já deva ter em sua mesa pelo menos 17 pedidos.

Se aprovada a solicitação dos advogados, Bolsonaro teria que passar algumas atribuições ao vice Hamilton Mourão, até que fosse julgado no plenário, onde determinaria o afastamento do presidente de seu cargo.

PUBLICIDADE
Celso Melo é quem está com esta ação em mãos.

PUBLICIDADE

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.