Brasil ultrapassa Reino Unido e fica em 2° lugar com mais mortes por Covid-19

Brasil está com 73 mortes a mais que o Reino Unido e boletim aponta mais de 828.810 casos de covid-19 no país.

O Brasil hoje dia (13) é o epicentro do novo coronavirus na América Latina, com atualizações diárias o país não está conseguindo impedir a disseminação e caminha para ser lider mundial do triste do ranking da pandemia. Segundo a Universidade Johns Hopkins, somente o Reino Unido e os Estados Unidos superam as perdas brasileiras.

O crescimento de mortes diárias ultrapassa o inglês há dias. Por meio de cálculos matemáticos para os próximos 10 dias, o portal Covid-19 Brasil tem uma estimativa que haverá 925 mil confirmações de casos no país. Pelo mesmo método o grupo concluiu que mortes saltarão de 35.930 para mais de 46,8 mil até o mesmo período.

O país registra um aumento de óbitos pela doença em 24h e está no começo da lista de mais registros de mortes em números absolutos. O Brasil se encontra em análise cautelosa com comparação por milhão de habitantes que está em uma situação menos aterrorizante quando confrontada com outros países com mais de 25 mil óbitos.

Mas não notifica que o atual cenário brasileiro esteja tranquilo. Já que segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) não passamos pelo estágio mais grave da pandemia e considera que a estabilidade do contágio ainda é um fato futuro nas Américas, onde está o epicentro do Covid-19.

PUBLICIDADE

Mesmo com defasagem e pouca testagem para o novo coronavirus, falha assumida pelo Ministério da Saúde o Brasil ainda assim é o segundo país com mais casos confirmados no mundo. Perdendo apenas para o país norte-americano que soma mais de 1,9 milhões de infectados. A pandemia no Brasil está em fase de crescimento, segundo especialistas. O pico está previsto para julho, começando a desaparecer apenas em agosto.

Os países que adotaram a uma politica de flexibilização mais rigorosa alegaram que foi possível salvar mais vidas. O Brasil adotou medidas mais cautelosa em alguns estados, mas ainda não foi possível a queda de contágio pela doença.

Mesmo com esse crescimento acelerado de casos e mortes pela doença o Brasil está em um momento de flexibilização do isolamento social, com a volta dos comércios, consequentemente a proliferação do vírus é inevitável.

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator Viviane Santos

Comunicação de notícias dedicado a TV e famosos, política, curiosidades, humor, relacionamentos, saúde e culinária.