Doméstica é condenada em SP após ser flagrada usando corrente roubada de patrão no próprio casamento

Mulher postava nas redes sociais fotos com objetos furtados.

O caso aconteceu em Santos, litoral de São Paulo. A empregada doméstica Adriana Barreto dos Santos, de 39 anos, foi condenada por furtar objetos diversos, pertencentes aos patrões da residência onde trabalhava desde 2015.

Segundo a acusação, Adriana furtou joias, roupas, perfumes importados e dinheiro do patrão, um empresário de Santos. Os furtos promovidos pela doméstica, foram descobertos após a mesma postar uma foto de seu casamento, nas redes sociais, usando um colar com pingente de ouro, reconhecida pela esposa do empresário, que também identificou outros acessórios e roupas, ao averiguar as demais fotos da funcionária. As imagens foram impressas e serviram como provas do crime no processo.

A esposa do empresário relatou em seu depoimento, que passou a dar falta de alguns objetos, após notar Adriana usando um par de brincos que pertenciam a patroa, durante um dia de trabalho na residência. No processo consta, que a quantidade de acessórios desaparecidos foram aumentando, como medida protetiva, a família instalou câmeras de monitoramento na residência.

PUBLICIDADE

As câmeras, flagraram momentos em que a doméstica, leva diversos objetos que pertencem a família, retirados dos quartos e do escritório da casa. Segundo informações do casal, a limpeza da área dos quartos, não faziam parte das responsabilidades de Adriana na casa. A família buscou pelo perfil da empregada nas redes sociais e observaram várias fotos onde foram identificados os pertences furtados, como roupas e acessórios. Eles acreditam, que os furtos aconteceram no período final de 2017 a agosto de 2018.

Adriana era uma funcionária de confiança na residência do casal. No final de 2018, foi realizado um procedimento de busca e apreensão na casa da doméstica, onde foram encontrados inúmeros objetos das vítimas, como perfumes, roupas, colares, anéis e relógios, segundo o casal, avalia-se que o valor dos objetos roubados chega a R$100 mil reais, porém, cerca de apenas 30% foram recuperados pela Polícia Civil.

A defesa de Adriana, alega que alguns acessórios encontrados na casa da acusada, foram doados pelos patrões e outros foram emprestados. Adriana nega que tenha roubado a família e revela que outras 7 pessoas tinham acesso a casa da família, usando chaves reserva, que ficavam na caixa do relógio de luz. Adriana rebate ainda, que está sendo acusada injustamente, que as acusações seriam falsas e aconteceram após um desentendimento com a patroa, por conta dos horários de trabalho. Consta nos autos, que Adriana não conseguia cumprir o intervalo de almoço, motivado pela diferença de horário em que saia de um outro trabalho e que entrava para trabalhar na casa das vítimas.

PUBLICIDADE

Na condenação publicada em 4 de dezembro, a juíza Elizabeth Lopes de Freitas, reconhece que a empregada abusou da confiança das vítimas, realizando os furtos. Adriana tinha acesso a casa da família, mesmo quando eles estavam ausentes. Adriana foi condenada a dois anos e quatro meses de reclusão em regime aberto, porém, a juíza levou em conta que Adriana preenche os requisitos legais e substituiu a pena privativa de liberdade, por duas penas restritivas de direitos. Ela deverá prestar serviços à comunidade ou entidades públicas e limitação aos finais de semana durante dois anos e quatro meses. Os advogados de defesa da ré, recorreu ao resultado da condenação no Tribunal de Justiça de São Paulo.

PUBLICIDADE

Escrito por Cris Si

Escrevo vários tipos de conteúdo, mas gosto muito de escrever notícias sobre famosos, histórias de superação e testemunhos.