Jovem de 23 anos, perde a vida com Covid-19 no Brasil, trabalhava com os pais e seu sonho era ter a sua doceria:”Viveu intensamente”

Coronavírus, faz mais uma vítima, desta vez um jovem de 23 anos cheio de sonhos.

Nesta terça-feira (31)com o novo Covid-19. Matheus Aciole, de 23 anos, gostava de frequentar festas, e fabricava bolos de aniversário.

O irmão mais velho de 34 anos, conta que o jovem “viveu intensamente”. Matheus se torna assim, a 1°vítima mais jovem no Brasil, por conta do novo coronavírus. Era formado na área que mais gostava, em gastronomia e ao mesmo tempo se encontrava cursando no terceiro período do curso de Nutrição.

A família tem uma loja de bolos, e o jovem trabalhava junto com os seus pais no fabrico de bolos, e seu sonho era ter a sua própria doceria. Atualmente, se encontrava num hospital privado, na UTI à 12 dias depois te ser os primeiros sinais da doença covid-19, e o seu óbito foi declarado na tarde desta terça-feira (31).

PUBLICIDADE

Segundo os relatos dos médicos, o jovem tinha problemas de obesidade, o que agravou mais ainda o seu estado clínico. O seu funeral, realizou se nesta quarta-feira(1), num cemitério público da cidade. Maxwel, irmão do jovem, conta que ele já nasceu no ambiente de gastronomia.

A família tem uma loja, desde 1994 ainda antes de Matheus nascer, no bairro Lagoa Nova, situado na Zona Sul da capital. “Foi sempre uma das coisas que o fascinava, o seu sonho era se especializar em doces finos, e ter a sua própria doceria”,finaliza.

PUBLICIDADE

Após se formar na área de gastronomia, à cerca de dois anos, ele passou a trabalhar juntamente com os pais, Manoel Balbino, de 58 anos e Dona Elione, 56. Sob encomendas, ele fabricava bolos de aniversário decorados, ao mesmo tempo que cursava Nutrição, numa faculdade particular. Atualmente o jovem estava no terceiro período, e bastante empolgado com o seu curso.

O jovem era conhecido por ser uma pessoa alegre, simpático, rodeado de amigos, e curtia uma boa”farra”, recorda o irmão.”Festas ou show, ele estava lá presente não perdia uma. Adorava forró, de sertanejo…no carnaval, ele sempre pulava os três blocos por dia e depois ainda ia até aos camarotes”, recorda. Afirma ainda, que não tem qualquer ideia de pessoas que sentissem raiva do irmão, sempre foi acarinhado por todos.

“Ele me falou que estava se sentindo bem. Estava na esperança de sair da UTI”. Segundo as informações da família, Matheus não fez recentemente qualquer viagem ao exterior ou outro estado, e também nao participou em qualquer evento, a não ser numa formatura de curso superior que se realizou, no dia 14 em um hotel da capital.

 

 

 

PUBLICIDADE

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!