No Dia Internacional da Mulher, Maisa Silva relata situação de assédio

Maisa sobre assédio no dia internacional da mulher

Maisa da Silva Andrade é uma atriz, cantora, modelo, dubladora, apresentadora e youtuber brasileira. Maisa foi descoberta com três anos de idade, quando participou do programa   de calouros do Raul Gil, na Record e na Band.

Nesta última sexta-feira, 8 de março, comemorou o Dia Internacional da Mulher.

E muitas blogueiras e atrizes fizeram homenagens a todas as mulheres do mundo, e o tema que foi  bastante comentado foi sobre assédio.

PUBLICIDADE

Elas aproveitaram a data para fazer uma campanha contra o feminicídio. Entre todas as famosas, a musa da SBT Maísa Silva também não ficou de fora.

Maisa Silva usou seu perfil no Instagram e Twitter para criticar as atitudes de alguns homens, se é que podemos os chamar assim.

PUBLICIDADE

E ela recebeu vários comentários sem nexo, e muitos relatos de seguidoras que já sofreram assédio. A apresentadora também recebeu o apoio e elogio da atriz Bruna Marquezine, entre outras famosas.

Maisa também deixou bem claro que já passou por algumas abordagens “nojentas,” segundo a apresentadora não vale a pena mencionar o ocorrido. Lembrando que ela tem apenas 16 anos.
Veja um compartilhamento dela no twitter:

Maisa aproveitou a data, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, para dar apoio a outras mulheres que passam por situações semelhantes no dia a dia e também para dar força ao movimento. Confira abaixo.

A jovem não deixou passar o comentário e respondeu “Velho nojento, eu tenho 16 anos seu pedófilo”.  Maísa, que é a adolescente mais seguida do Instagram, é uma voz ativa na luta pelos direitos das meninas.

E já avisou em outra oportunidade: falta de respeito como esse tipo de comentário não serão tolerados em suas redes sociais.

Ela também aproveitou o momento para parabenizar as todas as mulheres que a inspiram, que estão seguindo dia a dia o espaço delas e que levantam outras mulheres para que possam seguir juntas.

Dá os parabéns para as companheiras de luta que educam, refletem, sofrem, mas que mesmo assim nunca desistem.

“Denunciem. É o que a gente pode fazer. O nojo que eu sinto é maior que tudo. Ainda tenho esperança que esses monstros sejam pegos”, desabafou. Em seguida, ela agradeceu a todos os que estão ajudando a fazer as denúncias.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Carla Gomes

Colunista em diversos sites. Adoro escrever sobre qualquer assunto. Cursando publicidade e marketing. Apaixonada e ecommerce e marketing digital. Contato: [email protected]