O trauma na infância e a doença crônica estão conectados?

 

trauma de infância e depressão

Sabemos que experiências traumáticas podem desencadear problemas de saúde mental e física na vida adulta. Por exemplo, um acidente de carro ou ataque violento pode levar a depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), além de lesões físicas.

Mas e quanto ao trauma emocional na infância?

Pesquisas realizadas na última década estão esclarecendo como eventos adversos na infância (ACEs) podem afetar uma variedade de doenças mais tarde na vida.

PUBLICIDADE

Um olhar mais atento aos ACEs

Os ACEs são experiências negativas que ocorrem durante os primeiros 18 anos de vida. Eles podem incluir vários eventos, como receber ou testemunhar abuso, negligência e vários tipos de disfunção dentro de casa.

Um estudo da Kaiser publicado em 1998 descobriu que, à medida que aumenta o número de ACEs na vida de uma criança, aumenta também a probabilidade de “múltiplos fatores de risco para várias das principais causas de morte em adultos”, como doenças cardíacas, câncer, pulmão doença e doença hepática.

Outro estudo que examinou os cuidados informados sobre trauma para sobreviventes de trauma na infância descobriu que aqueles com maiores escores da ECA também podem estar em maior risco de doenças autoimunes, como artrite reumatoide, bem como dores de cabeça frequentes, insônia, depressão e ansiedade, entre outros. Há também evidências de que a exposição ao “estresse tóxico traumático” pode desencadear mudanças no sistema imunológico.

PUBLICIDADE

A teoria é que o estresse emocional extremo é um catalisador para várias mudanças físicas no corpo.

PTSD é um bom exemplo dessa teoria em ação. As causas comuns para o TEPT costumam ser alguns dos mesmos eventos reconhecidos no questionário ACE – abuso, negligência, acidentes ou outros desastres, guerra e muito mais. Áreas do cérebro mudam, tanto em estrutura quanto em função. Partes do cérebro mais afetadas no TEPT incluem a amígdala, o hipocampo e o córtex pré-frontal ventromedial. Essas áreas gerenciam memórias, emoções, estresse e medo. Quando eles funcionam mal, isso aumenta a ocorrência de flashbacks e hipervigilância, colocando seu cérebro em alerta máximo para sentir o perigo.

Para as crianças, o estresse de experimentar o trauma provoca mudanças muito semelhantes às observadas no TEPT. Trauma pode mudar o sistema de resposta ao estresse do corpo em alta velocidade para o resto da vida da criança.

Por sua vez, o aumento da inflamação das respostas aumentadas ao estresse pode causar ou desencadear doenças autoimunes e outras condições.

Do ponto de vista comportamental, crianças, adolescentes e adultos que sofreram traumas físicos e psicológicos também podem estar mais propensos a adotar mecanismos de enfrentamento insalubres, como tabagismo, abuso de substâncias, excessos e hipersexualidade. Esses comportamentos, além de uma resposta inflamatória aumentada, podem colocá-los em maior risco de desenvolver certas condições.

O que a pesquisa diz

Pesquisas recentes fora do estudo CDC-Kaiser exploraram os efeitos de outros tipos de trauma no início da vida, bem como o que pode levar a melhores resultados para aqueles expostos ao trauma. Embora muitas pesquisas tenham focado em traumas físicos e condições crônicas de saúde, mais e mais estudos estão explorando a conexão entre o estresse psicológico como um fator preditivo para doenças crônicas mais tarde na vida.

Por exemplo, um estudo publicado na revista Clinical and Experimental Rheumatology, em 2010, examinou as taxas de fibromialgia em sobreviventes do Holocausto, comparando o quanto os sobreviventes provavelmente teriam a doença contra um grupo de controle de seus pares. Sobreviventes do Holocausto, definidos neste estudo como pessoas que vivem na Europa durante a ocupação nazista, foram duas vezes mais propensos a ter fibromialgia do que seus pares.

Quais condições podem ser desencadeadas por um trauma infantil? Isso é um pouco incerto agora. Muitas condições – especialmente doenças neurológicas e autoimunes – ainda não têm uma causa conhecida, mas cada vez mais evidências apontam que os ACEs desempenham um papel importante em seu desenvolvimento.

Por enquanto, existem alguns links definitivos para PTSD e fibromialgia. Outras condições relacionadas aos ACEs podem incluir doenças cardíacas, dores de cabeça e enxaquecas, câncer de pulmão, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), doença hepática, depressão, ansiedade e até distúrbios do sono.

Perto de casa

Para mim, esse tipo de pesquisa é especialmente fascinante e bastante pessoal. Como um sobrevivente de abuso e negligência na infância, eu tenho uma pontuação ACE bastante alta – 8 de um possível 10. Eu também vivo com uma variedade de condições crônicas de saúde, incluindo fibromialgia, artrite juvenil sistêmica e asma, para citar alguns , que pode ou não estar relacionado ao trauma que eu experimentei crescer. Eu também vivo com TEPT como resultado do abuso, e isso pode ser abrangente.

Mesmo quando adulto e muitos anos depois de interromper o contato com meu agressor (minha mãe), muitas vezes luto com a hipervigilância. Estou excessivamente atento ao que me rodeia, certificando-me sempre de que sei onde estão as saídas. Eu pego em pequenos detalhes que outros não podem, como tatuagens ou cicatrizes.

Depois, há flashbacks. Os gatilhos podem variar, e o que pode me acionar uma vez pode não me acionar no próximo, então pode ser difícil antecipar. A parte lógica do meu cérebro leva um momento para avaliar a situação e reconhece que não há uma ameaça iminente. As partes afetadas pelo TEPT do meu cérebro levam muito mais tempo para descobrir isso.

Nesse meio tempo, lembro-me vividamente dos cenários de abuso, a ponto de até mesmo sentir o cheiro dos aromas da sala onde ocorreu o abuso ou sentir o impacto de uma surra. Todo o meu corpo se lembra de como essas cenas acontecem enquanto meu cérebro me faz revivê-las de novo e de novo. Um ataque pode levar dias ou horas para se recuperar.

Considerando-se a resposta do corpo total a um evento psicológico, não é difícil para mim entender como a vida através do trauma pode afetar mais do que apenas a sua saúde mental.

Limitações dos critérios ACE

Uma crítica dos critérios da ACE é que o questionário é muito restrito. Por exemplo, em uma seção sobre molestamento e agressão sexual, para responder sim, o agressor precisa ser pelo menos cinco anos mais velho do que você e deve ter tentado ou feito contato físico. A questão aqui é que muitas formas de abuso sexual infantil ocorrem fora dessas limitações.

Há também muitos tipos de experiências negativas não contadas atualmente pelo questionário ACE, tais como tipos de opressão sistêmica (por exemplo, racismo), pobreza e viver com uma doença crônica ou debilitante quando criança.

Além disso, o teste ACE não coloca experiências infantis negativas no contexto com experiências positivas. Apesar da exposição ao trauma, a pesquisa em saúde pública mostrou que o acesso a relações sociais de apoio e comunidades pode ter um impacto positivo duradouro na saúde mental e física.

Eu me considero bem ajustado, apesar da minha infância difícil. Eu cresci bastante isolado e realmente não tenho uma comunidade fora da minha família. O que eu tinha, no entanto, era uma bisavó que se importava muito comigo. Katie Mae faleceu quando eu tinha 11 anos de complicações da esclerose múltipla. Até aquele ponto, porém, ela era minha pessoa.

Muito antes de ficar doente com uma variedade de condições crônicas de saúde, Katie Mae sempre foi a única pessoa na minha família que eu estava ansiosa para ver. Quando fiquei doente, foi como se ambos nos entendêssemos em um nível que ninguém mais pudesse entender. Ela encorajou o meu crescimento, proporcionou-me um espaço relativamente seguro e promoveu uma paixão ao longo da vida por aprender que continua a me ajudar hoje.

Apesar dos desafios que enfrento, sem a minha bisavó, não tenho dúvidas de que a maneira como vejo e experiencio o mundo seria muito diferente – e muito mais negativa.

Confrontando o ACE em um ambiente clínico

Embora mais pesquisas sejam necessárias para definir completamente a relação entre ACEs e doenças crônicas, há passos que médicos e indivíduos podem seguir para explorar melhor as histórias de saúde de uma maneira mais holística.

Para começar, os profissionais de saúde podem começar a fazer perguntas sobre os traumas físicos e emocionais passados ​​durante cada visita ao poço – ou, melhor ainda, durante qualquer visita.

“Não é dada atenção suficiente na clínica aos eventos da infância e como eles influenciam a saúde”, disse Cyrena Gawuga, PhD, co-autor de um estudo de 2012 sobre a relação entre o estresse precoce e as síndromes de dor crônica.

“Escalas básicas como o ACE ou até mesmo apenas pedir poderiam fazer diferenças críticas – sem mencionar o potencial de trabalho preventivo baseado no histórico de traumas e sintomas.” Gawuga também disse que ainda há mais pesquisas necessárias para estudar como o status socioeconômico e a demografia podem trazer categorias ACE adicionais.

No entanto, isso também significa que os profissionais precisam se tornar informados sobre o trauma para ajudar melhor aqueles que revelam experiências adversas na infância.

Para pessoas como eu, isso significa ser mais aberto sobre as coisas pelas quais passamos quando crianças e adolescentes, o que pode ser um desafio.

Como sobreviventes, muitas vezes nos sentimos envergonhados com o abuso que sofremos ou até mesmo com a forma como reagimos ao trauma. Eu sou muito aberta sobre o meu abuso dentro da minha comunidade, mas tenho que admitir que eu não tenho revelado muito sobre isso com meus profissionais de saúde fora da terapia. Falar sobre essas experiências pode abrir espaço para mais perguntas, e essas podem ser difíceis de lidar.

Por exemplo, em uma consulta neurológica recente, perguntaram se poderia haver algum dano à minha coluna em qualquer evento. Eu sinceramente respondi sim, e depois tive que elaborar sobre isso. Ter que explicar o que aconteceu me levou a um lugar emocional que era difícil de estar, especialmente quando eu queria me sentir empoderada em uma sala de exames.

Descobri que as práticas de mindfulness podem me ajudar a lidar com emoções difíceis. Meditação em particular é útil e foi mostrado para reduzir o estresse e ajudá-lo a regular melhor as emoções. Meus aplicativos favoritos para isso são Buddhify, Headspace e Calm – cada um tem ótimas opções para usuários iniciantes ou avançados. Buddhify também tem características de dor e doenças crônicas que pessoalmente considero incrivelmente úteis.

Qual é o próximo?

Apesar das lacunas nos critérios usados ​​para medir os ACEs, elas representam um problema significativo de saúde pública. A boa notícia é que, em geral, os ACEs são, na maioria das vezes, evitáveis.

O CDC recomenda uma variedade de estratégias que incorporam agências estaduais e locais de prevenção da violência, escolas e indivíduos para ajudar a abordar e prevenir abusos e negligências na infância.

Assim como a construção de ambientes seguros e de apoio para crianças é importante para prevenir os ACEs, abordar questões de acesso para os cuidados de saúde físicos e mentais é crucial para abordá-los.

A maior mudança que precisa acontecer? Pacientes e profissionais devem levar mais a sério experiências traumáticas na infância. Assim que fizermos isso, poderemos entender melhor a ligação entre a doença e o trauma – e, talvez, evitar problemas de saúde para nossos filhos no futuro.

PUBLICIDADE

Escrito por Pa